DEPENDENDO DO CARRO DA PARA TROCAR PELA MULTA. RSRS VALOR DA MULTA, 2.934,70

Motorista embriagado pagará R$ 2.934,70

Além de ser obrigado a pagar quase R$ 3 mil pela infração, o condutor ainda perderá o direito de dirigir por um ano.

Foto: Divulgação

Quem for pego pela Operação Lei Seca dirigindo alcoolizado ou se recusar a fazer o teste do bafômetro, a partir do próximo dia 1º, pagará uma multa muito superior ao valor cobrado atualmente, que é de R$ 1.915,00. Devido a mudanças na legislação de trânsito, o valor subirá para R$ 2.934,70 e o motorista ainda terá a carteira de habilitação suspensa pelo prazo de 12 meses.

O condutor que falar ao celular enquanto dirige também será penalizado com mais rigor: de infração média (multa de R$ 85,13) para gravíssima (R$ 191,54). E quem estacionar indevidamente em vaga de idoso ou deficiente acumulará sete pontos na carteira.

De acordo com o coordenador da Lei Seca, tenente-coronel da Polícia Militar, Marco Andrade, para que o trânsito seja humanizado, é necessária a contribuição de todos. Existe o esforço legal de tentar inibir as transgressões por meio das penalizações. A multa é para chamar a atenção. “O grande objetivo é a reeducação, não temos prazer em multar”, explica.

A Operação Lei Seca, iniciada em 2009, trouxe uma mudança para a realidade da segurança nas estradas. Segundo dados do Instituto de Segurança Pública - ISP e do Departamento Nacional de Trânsito - Denatran, o número de mortes em 2009 foi de 59 por 100 mil veículos. No ano passado, ficou em 29 para cada 100 mil veículos, uma redução de aproximadamente 50%.

Segundo o tenente-coronel, “quando começamos, há sete anos, 20% dos motoristas eram flagrados sob efeito do álcool. Hoje, este número caiu para 7%. Da mesma forma, esperamos um amadurecimento com relação ao uso do cinto de segurança no banco de trás, com a não utilização do celular ao volante e o respeito às regras de velocidade. Precisamos que a sociedade compre essa ideia”, pede.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde - OMS, o Brasil é o quarto país do mundo com o maior número de mortes em acidentes de trânsito por ano. O país tenta cumprir uma meta estipulada pela Organização das Nações Unidas - ONU, uma redução em 50%, no período 2011-2020, de casos fatais em acidentes rodoviários. Faltam três anos e dois meses para o término do prazo.