Movimento sindical prepara protestos históricos

18/04/2013 19:14

Criciúma e região verão a partir da próxima semana as mais expressivas manifestações de trabalhadores da história do sindicalismo da região, envolvendo lideranças sindicais de todo Estado, em protesto a demissão de um integrante do Conselho Fiscal do Sindicato dos Mineiros de Lauro Müller. A decisão foi tomada, nesta quinta-feira (18), em reunião realizada em Lauro Müller, envolvendo representantes de cerca de 20 sindicatos da região, federações de trabalhadores e a maioria das centrais sindicais do Estado.
O encontro de lideranças se deu depois de esgotado o prazo proposto pela mineradora para repensar a demissão do dirigente sindical, informa o presidente do Sindicato dos  Mineiros de Lauro Müller, Lourival Elias Filho. Da reunião resultou a formação de um comando de mobilização, que ficará responsável pela estadualização da mobilização e atos que serão desenvolvidos. A comissão se reúne na manhã desta sexta-feira (19), no Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Plásticas, Químicas e Farmacêuticas de Criciúma e Região para as primeiras providências.
A demissão do sindicalista ocorreu na semana passada e desde então o local onde o dirigente sindical trabalhava está em greve, em solidariedade ao profissional. Um grupo de quase 20 homens, cinco máquinas pesadas e quatro caminhões estão parados na localidade de Rio Queimado, interior de Lauro Müller, onde se processa trabalho de recuperação ambiental, no qual o diretor sindical prestava serviços.
Conforme Elias Filho, a demissão se deu pela falta do profissional ao local de trabalho, na semana anterior. “A questão é que o sindicato informou à empresa, por ofício, que o diretor se ausentaria do trabalho para participar de audiência pública em Bagé (RS), em  defesa do carvão mineral, programada pelo Frente Parlamentar do Carvão”, explica o presidente do sindicato, ressaltando que a empresa não se dispõe a negociar a situação.
“É uma situação lamentável; o trabalhador vai participar de uma audiência que defendia os interesses também dos patrões,  acaba demitido e mostramos isto à direção do sindicato patronal, que foi solidária e prometeu intervir e ter solução para o impasse até esta quinta-feira, o que não ocorreu”, enfatiza o advogado do sindicato de Lauro Müller, Antônio Alves Elias.
“ O movimento sindical não concebe afronta a estabilidade do dirigente sindical eleito pela categoria, em qualquer setor, e vamos nos mobilizar”, enfatiza o presidente do sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Plásticas, Químicas e Farmacêuticas de Criciúma e Região e  vice-presidente da Federação dos Trabalhadores na Indústria de Santa Catarina (Fetiesc) Carlos de Cordes, o Dé. “A Fetiesc tem 41 sindicados filiados, todos prontos a aderir a este movimento, assim como outras categorias e todas as centrais sindicais do Estado”, antecipada Dé.


Mais informações:
Antonio Cézar Stairk : 9984-5731
Carlos de Cordes: 9923-8428
Antônio Alves Elias: 9984-1118