História

 

 

Os italianos que colonizaram Siderópolis

 

  Os italianos que colonizaram Siderópolis chegaram em 1891, oriundos de Veneza, Treviso, Ferrara e Bérgamo, na Itália. No início, quando a localidade chamava-se Nova Belluno, os colonos cultivavam a terra apenas para consumo próprio. Mais tarde descobriram que a região era rica em carvão mineral e surgiram as primeiras mineradoras. A partir da instalação da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), de propriedade do Governo Federal, o povoado passou a se chamar Siderópolis. As mineradoras trouxeram prosperidade e expandiram o povoado, mas a crise do carvão, especialmente na década de 1980, provocou a retomada da agricultura como base econômica do município.
Em 1913 Siderópolis foi elevado a Distrito de Urussanga. Em 19 de dezembro de 1958 conquistou a emancipação político-administrativa. A maior parte da população possui descendência italiana, seguida de descendentes africanos, embora há também um pequeno número de alemães, poloneses e portugueses.
   O comércio é composto por estabelecimentos de pequeno porte, que suprem as necessidades básicas, como alimentação, vestuário, calçados e habitação. Alguns desses produtos são provenientes do próprio município, tais como: carvão, madeira, banana, fumo, batata, arroz, mandioca, milho, feijão e outros. Na área industrial conta ainda com minas de extração de carvão, indústria química, serralharias e pequenas indústrias.
No município de Siderópolis predomina a religião Católica Apostólica Romana, mas as religiões protestantes vêm crescendo e ocupando seu espaço. Os moradores de Siderópolis mantêm vivas as tradições de seus antepassados através de programas de intercâmbio com cidades italianas, além de valorizar a cultura e a gastronomia durante as comemorações locais, como a Festa do Colono, na segunda quinzena de julho, quando o município destaca seus produtos agrícolas.

 

 

 Festa do Colono

A tradicional Festa do Colono, que acontece anualmente desde a década de 80 na primeira quinzena de agosto, atrai vários moradores de outras cidades da região.

O intuito da festa é celebrar a colonização italiana, os quais desempenharam um trabalho arduo no campo, gerendo o desenvolvimento que proporciona a cidade nos dias de hoje uma posicao no ranking dos maiores produtores de galinha e banana. No ano de 2006, aproximadamente 60 mil pessoas compareceram à festa. No dia seguinte apos o último dia de festa, um misterioso roubo leva todo o dinheiro que a prefeitura arrecadou para o municipio, o crime nunca foi resolvido, o que envolve grandes boatos ate os dias atuais.

 

 

Maria-fumaça

Os passeios de Maria-fumaça (tradicional locomotiva a vapor), na Ferrovia Teresa Cristina saindo de Tubarão e seguindo para Siderópolis, possibilitam uma visão diferente da vegetação e das antigas estações ferroviárias da região.

 

 

Barragem do Rio São Bento

 Inaugurada em 24 de Junho de 2006, a barragem do rio Santo Bento é uma dos mais recentes cartões postais de Siderópolis, quem planeja passar por perto pode ter a garantia de uma paisagem encantadora aos pés da Serra do Rio do Rastro, lembrando os Alpes Italianos, da onde muitos descendentes do povo sideropolitano saíram.

 

 

Túnel

O túne de Siderópolis, uns dos mais antigos cartões postais da cidade foi inaugurado em 1944, com função de facilitar o trajeto do trem na Estrada de Ferro Tereza Cristina, foi construído pela Cia. Construtora e Importadora Brasília Ltda. – SOCIMBRA -, do Rio de Janeiro, tem a extensão de aproximadamente 400 m, custo da obra na época foi de aproximadamente Cr$ 2.750.000,00.

 

 

Casa de Pedra

A casa de pedra como próprio nome diz é uma casa de pedra e está localizada na comunidade do Rio Jordão Baixo.

 

 

Cachoeira do Bianchini

  A Cachoeira do Bianchini recebe esse nome pois está situado perto do terreno na antiga moradora Assunta Bianchini.

 

 

Janela Furada

A Janela Furada é uma formação rochosa situada entre o Bairro Rio Jordão Alto e o Bairro São Pedro.