Treviso aposta na produção leiteira

13/04/2013 12:44

Com o objetivo de aumentar a produtividade de leite no município de Treviso, produção esta que no passado já foi mais expressiva, a cidade está prestes a implantar o Programa de Incentivo à Cadeia Produtiva do Leite (Pró-leite).

O programa é uma parceria entre Epagri e prefeitura municipal. Com o bom desempenho em Siderópolis, onde foi implantando há dois anos, o Pró-leite fez dobrar a produção no município. Este excelente resultado deu ânimo para que a cidade retomasse a atividade com mais força. São 21 produtores de leite e queijo em Treviso que vendem sua produção para os laticínios de Siderópolis e Nova Veneza.

Um deles é Ernandos José Simolim, de 35 anos, que há nove anos entrou na atividade leiteira. “Fui incentivado pelos meus pais. Na época eu tinha um aviário e hoje, além do leite, cultivo banana. Estamos com bastante expectativa diante do programa. Somos produtores pequenos, mas todos juntos seremos forte. Cada um, é claro, com as suas limitações, mas poderemos conseguir unidos um bom preço na venda do leite”, espera Simolim, que será o secretário da Associação dos Produtores de Leite de Treviso. O agricultor, que produz entre 170 a 180 litros de leite diariamente, conta que toda a sua produção é comprada pelo laticínio de Nova Veneza. “Temos mercado para produzir mais e com qualidade cada vez maior”, considera o produtor.

Associação formalizada até final de abril
O secretário de Agricultura de Treviso, João Luiz Brunel, explica que o projeto precisa ainda ser aprovado na Câmara de Vereadores. “Para podermos encaminhar o projeto temos que efetivar a criação da Associação dos Produtores de Leite do município. Assim que tivermos o CNPJ podemos dar encaminhamento. Estivemos conversando com alguns vereadores e a acreditamos que não teremos problema para que seja aprovado”, coloca Brunel. Conforme o secretário, a expectativa que é até o final do mês de abril a criação da Associação esteja formalizada.

“O município de Treviso já teve uma produção maior, algo em torno de três a quatro vezes a produção atual. Muitos desistiram da atividade por questões relacionadas ao preço do produto. Neste momento muitos estão deixando a produção de frango e querendo entrar para a leiteira”, expõe o secretário.

Incentivos com maquinário, em pastagens, na genética do rebanho, melhorias na ordenha e um técnico para acompanhar a atividade leiteira nas propriedades são alguns dos benefícios elencados pelo engenheiro agrônomo da Epagri de Treviso, Luis Fernando Búrigo Coan. “Temos duas causas que convergem para a mesma solução, uma é o potencial e a outra a diminuição da avicultura no município”, destaca Coan.

De acordo com ele, assim que o projeto estiver aprovado no Legislativo se inicia o plano de trabalho. Atualmente, Treviso produz diariamente 1, 422 mil litros de leite, o que anualmente somam 519 mil litros.

Treviso
21 produtores de leite e queijo
1, 422 mil litros produzidos diariamente
519 mil litros anuais

Mercado de leite aquecido

Outro item favorável que dará ainda mais segurança para a aposta da nova atividade no município é a boa situação da produção de leite no mercado catarinense. Ela se tornou uma das atividades agropecuárias mais rentáveis para as famílias rurais do estado, que detém a segunda maior bacia leiteira do país. Os preços pagos, atualmente, aos produtores rurais tornaram-se altamente compensatórios em razão de fatores climáticos e mercadológicos, como as secas em algumas regiões, o excesso de chuvas em outras e o aumento do preço no mercado internacional.

Produção crescente
O presidente da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc), Marcos Antônio Zordan, realça que o mercado mudou nos últimos 30 dias. A produção de leite continuará crescendo em Santa Catarina, prevê Zordan, porque proporciona muitas vantagens aos produtores de médio e pequeno porte: garante renda mensal, permite bons volumes de produção em pequenas áreas, o risco da atividade é mínimo, os custos de produção estão caindo e a produtividade aumentando.

Santa Catarina é o quinto produtor nacional, o estado gera 2,2 bilhões de litros por ano. Praticamente, todos os 190 mil estabelecimentos agropecuários produzem leite, o que gera renda mensal às famílias rurais e contribui para o controle do êxodo rural. O oeste catarinense responde por 60% da produção com cerca de 50 mil estabelecimentos rurais.
 

Textos: Deize Felisberto Fonte: ClicAtribuna